Gênio Criador

6ª edição do Prêmio Instituto 3M tem inscrições abertas

Desperte seu Potencial

 Voltar 6ª edição do Prêmio Instituto 3M tem inscrições abertas

Por Danilo Moreira

Toda iniciativa que estimula boas ideias para promover transformações que beneficiam o meio ambiente e a sociedade são bem vindas. A 6ª edição do Prêmio Instituto 3M está com inscrições abertas até 8 de junho (segunda-feira). Voltado para universitários, o concurso tem como objetivo reconhecer projetos inovadores capazes de promover transformações que beneficiem a sociedade. O vencedor receberá R$ 30 mil para a viabilização do projeto. O prêmio é uma parceria do Instituto 3M com a Associação AlfaSol, a partir do Programa Universidade Solidária (UniSol).

Conforme o regulamento do concurso, qualquer estudante de uma instituição de ensino superior do país pode participar e não há restrição de cursos/áreas. Os projetos – individuais ou em grupo – devem privilegiar o desenvolvimento de tecnologias sociais, ou seja, produtos, técnicas e/ou metodologias inovadoras que forneçam soluções de transformação social, podendo ser, por exemplo, iniciativas voltadas à inclusão social, empreendedorismo, geração de trabalho e renda, ou meio ambiente. As propostas precisam atender alguns critérios, como simplicidade, baixo custo, fácil aplicabilidade e de impacto social mensurável. “O prêmio foi criado para incentivar trabalhos acadêmicos desenvolvidos para melhorar as condições de vida de um bairro, uma cidade, do país de uma forma simples e inovadora. A Responsabilidade Social tem esse poder de transformação e tem de ser estimulada”, afirma Eliane Macari, gerente geral do Instituto 3M, em entrevista ao portal Segs. Outro requisito importante é a orientação de um professor da instituição de ensino superior na qual os candidatos estão matriculados.

As inscrições são gratuitas e podem ser efetuadas por meio de um preenchimento de formulário no site da 3M do Brasil. A divulgação dos seis projetos finalistas acontece no dia 15 de junho, que passarão a contar com orientações do instituto para capacitação em metodologias para o desenvolvimento das iniciativas inovadoras e apresentação das ideias. A divulgação do projeto vencedor será feita no dia 3 de julho no site do Instituto.

Na última edição do prêmio, concluída no início de 2013, o Instituto recebeu 134 inscrições de 75 universidades, e premiou uma equipe de dez alunos da Faculdade de Tecnologia (FATEC), em Presidente Prudente, no interior de São Paulo, que desenvolveu uma casa com garrafas PET 30% mais barata que uma construção feita com materiais tradicionais como, por exemplo, tijolo e cimento.

Para mais informações, entre em contato com a organização nos telefones (11) 3372-4387, 3372-4323 e 3372-4366, de segunda a sexta-feira, das 9h00 às 18h00 (horário de Brasília) e pelo e-mail premioinstituto3m@unisol.org.br.

A Casa PET

Em comemoração ao Dia do Meio Ambiente, celebrado no dia 5 de junho, o Gênio Criador conta mais sobre esta iniciativa campeã da última edição do Prêmio, a “Casa PET”. O projeto nasceu em 2012 começou a ganhar forma quando o grupo de estudantes – monitorados por três professores – se inscreveu na 5ª edição do Prêmio. “Fomos premiados e, com isso, ganhamos R$ 30 mil para transformar a proposta em realidade no prazo de um ano. Sem dúvida, um desafio ainda maior”, conta a estudante Adriana Roberta Mendonça, em entrevista ao portal Ciclo Vivo. Após vencer o concurso, a equipe iniciou a construção do imóvel em outubro de 2013 em uma área na própria FATEC. A casa erguida tem 24 m2, sendo um cômodo de 16 m² e uma área de serviço de 9 m² além de uma sacada. Todas as etapas da construção foram analisadas e acompanhadas pelos professores responsáveis e alunos estagiários.

casa-de-garrafa-pet-fatec-ciclovivo-capa

A construção consumiu cerca de 4 mil garrafas PET, preenchidas com areia lavada a solo cimento (mistura composta por terra e 10% de cimento). A coleta dos materiais ficou por conta do Grupo de Escoteiros Monte Carmelo, que além da ação, também participou do preenchimento das garrafas. A estrutura da edificação e as colunas de sustentação é a mesma de uma residência de alvenaria. “Da maneira como foi feita, a obra fica tão resistente quanto as casas comuns”, afirma a professora Camila Pires Cremasco Gabriel, da UNESP de Tupã, uma das coordenadoras do projeto.

Além da reciclagem das embalagens PET, o projeto implantado pelos alunos da FATEC também mostra como vantagem a economia gerada ao optar por este tipo de construção. Enquanto uma obra feita com tijolos e com as mesmas medidas necessita de 10 sacos de cimento, a casa PET precisou apenas de quatro. Já ao contabilizar a mão de obra, material e itens de acabamento como pintura, instalações elétricas e hidráulicas, o custo total foi de R$ 15 mil, 30% a menos do que uma casa consumiria ao utilizar os materiais tradicionais.

Projetos como este, incentivados por prêmios que valorizam estas iniciativas são necessárias para a construção de uma sociedade mais justa, igual e que se desenvolva em harmonia com o meio ambiente. Inspire-se!

Fontes: Catraca Livre, Instituto 3M, Centro Paula Souza, Ciclo Vivo, G1
Fotos: Divulgação



 Voltar